CONTOS CAPITAIS – SOBERBA

CONTOS CAPITAIS

 

Soberba também conhecido como Orgulho é o sentimento caracterizado pela pretensão de superioridade sobre as demais pessoas, levando a manifestações ostensivas de arrogância, por vezes sem fundamento algum em fatos ou variáveis reais. O termo provém do latim superbia. (Wikipédia)

 

 

 

 

Arrumou-se com seu  melhor terno

chegou exatamente vinte minutos antes do evento começar

Checou se todas as exigências feitas haviam sido cumpridas

Reclamou com a secretária sobre a temperatura da água

Só entrou no auditório depois de lotado e foi ovacionado pelos participantes

Durante cinquenta minutos discursou sobre o segredo da felicidade e do sucesso

Elucidando com exemplos da própria vida num tom eufórico

Foi aplaudido de pé durante quatro minutos e vinte e sete segundos (talvez o recorde em suas palestras)

Abriu para perguntas e sempre quando se sentia ameaçado por alguma delas respondia coisas do tipo:

“-Você se olhou no espelho hoje antes de sair de casa?”

Num tom sarcástico que fazia a plateia se debulhar em risos

Ridicularizando sem piedade o questionador

Finalizou  as perguntas para tirar fotos com a plateia

Ainda conseguiu tirar muitos risos ao anunciar:

Por favor,  feios e fracassados se escondam atrás dos outros para não estragar as fotos

Prometeu postar mais tarde as fotos em seu site, e o fez

Com o título “A vida é para todos, o sucesso para poucos” selecionou a dedo cada foto

Encerrou o dia dando uma entrevista para uma rádio com o bordão de sempre:

“A felicidade e o sucesso não foram feitos para perdedores”

Chegou em casa bem tarde

Sobre a mesa do escritório um jornal com sua foto e a seguinte manchete:

“Conferencista do ano  – O homem que leva a felicidade e o sucesso até você”

Sorriu olhando para grande espelho da sala ajeitando o cabelo

Depois de um belo banho, já ajeitando para dormir

Lembrou-se da pergunta da moça dos dentes tortos

A que ele ridicularizou perante todos

Respondendo-a com a pergunta: Você se olhou no espelho…

Deitou a cabeça sobre o travesseiro de plumas de ganso

Tentando esquecer a cara da infeliz e a pergunta que ela fez

Tentativa vã, lembrava com detalhes o olhar fixo e cada palavra proferida pela moça:

“-Se você alcançou o maior grau da felicidade e do sucesso como diz, qual o motivo você tem para viver?”

Somente o travesseiro foi testemunha da lágrima amarga que correu de seus olhos ao perceber que não era capaz de responder tal pergunta.

1 Comentário

  1. Amélia Corrêa Passos

    Que forte. Parabéns pelo conto. Bem reflexivo.

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *