Que saudade (por Negro Bruno)

Negro Bruno traduz uma pequena palavra em puro sentimento.

Em “Que saudade…” ele nos remente a infância, ao passado. Mexe com um dos sentimentos mais paradoxos que temos: a saudade.

Simplesmente sintam!!!

 

QUE  SAUDADES…

Que saudades da minha infância,
De quando eu era apenas um moleque correndo nas ruas com varias crianças/
Que saudades daquele tempo antigo,
onde nele sempre se encontrava um abrigo/
tudo se transformava em um brinquedo,
pois nas mãos de uma criança se desvendavam vários segredos /
lembro-me de brincadeiras diversas,
Pique esconde , rouba bandeira,  guerrinha de manga , nós curtíamos todas sem um pingo de pressa /
Só tínhamos pressa de acordar, por que na cama chegávamos ate a madrugar,
Com historias de grandes personagens  que nos faziam sonhar/
Como era bom amanhecer naquela época,
O sol brilhando e os pássaros cantando, coisas simples de inspirar qualquer poeta/
Os pássaros pareciam estarem duelando,
O sábia o bem-te-vi  o  João- de -barro  todos ao mesmo tempo cantando /
E eu ali correndo pelo quintal,
fazia isso todos os dias e feliz da vida eu ficava quando encontrava uma pedra de cristal/
No meio daquele cascalho eu brincava ate de carrinho,
percorria por todos os cantos e ali eu ia trilhando o meu caminho/
A minha casa era bem simples de se ver,
E foi La que eu aprendi como se deve viver /
O meu pai sempre dizia “ respeite para ser respeitado”
Já a minha mãe falava “ quem não ouve conselho escuta coitado”/
São ditados bem simples, mas que vale a pena anotar para não  se esquecer.
Pois a riqueza que eles nos transmitem, faz com que qualquer ser humano venha a engrandecer/
Eu não digo financeiramente senão eu já era um homem rico,
Mas te traz coisas de maior valor, tipo cultivar um amigo/
lembro- me as vezes que quando pequeno , meu sonho era crescer e me mudar para capital/
hoje estou aqui nesse mundão e tudo que eu mais queria era estar curtindo a sombra das arvores do meu quintal/
Mas eu agradeço a Deus a vida que ele vem me proporcionando ,
E com os aprendizados da minha infância, eu continuo caminhando/
Então aqui eu finalizo, mas antes  desejo e dedico esta minha memória ,
para que todas as crianças cresçam felizes e que sejam autoras de grandes  histórias///

WELBERT DIAS ALMEIDA MARTINS

VULGO:  NEGRO BRUNO

 

3 Comentários

  1. Dayane Gaviao Marcolino

    Nossa que arraso. Parabens Negro Bruno. Amei.

    Responder
  2. Márcia

    Maravilhoso

    Responder
  3. Daiane Cristina Goncalves Pimentel

    Arrasou adoroooo…

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *